Estudo 03

 

ORAR COMO SE CONVÉM

Texto Base:
Mt 6:6-8.

Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto, e, fechada a porta, orarás a teu Pai que está em secreto; e teu Pai que vê em secreto, te recompensará. E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque presumem que pelo seu muito falar serão ouvidos. Não vos assemelheis pois, a eles; porque Deus, o vosso Pai, sabe o de que tendes necessidade, antes que lho peçais.

 

Precisamos da revelação do Espírito Santo para compreender o mistério da oração. A oração é um ato maravilhoso do reino espiritual, por isso necessitamos da graça de Deus para termos entendimento correto a respeito deste assunto. Não resta dúvidas, carecemos do toque divino para sermos ensinados a orar como convém. Em certo momento, os discípulos de Jesus pediram a Ele que os ensinassem a orar: De uma feita estava Jesus orando em certo lugar; quando terminou, um dos seus discípulos lhe pediu; Senhor, ensina-nos a orar como também João ensinou aos seus discípulos. Lucas 11:1. Esta é a nossa oração também!

Inicialmente, levantamos as seguintes perguntas: É preciso orar? Qual é a finalidade da oração? Não é Deus o Todo poderoso? Não é o Senhor do universo Onipotente, Onisciente e Onipresente? Ou seja, se Ele tem todo o poder, sabe todas as coisas simultaneamente, e está em todo o lugar ao mesmo tempo, por que precisamos orar a Ele? Por que Deus não opera diretamente? Por que Ele solicita a seu povo que ore? O profeta maior fala a respeito da grandeza do criador: Que desde o princípio anuncio o que há de acontecer e desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam; que digo: o meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade. Isaías 46:10. Deus é verdadeiramente soberano, e Ele não fará nada que seja contrário à sua vontade. E novamente perguntamos: Por que orar?

Afirmamos: Deus tem prazer em ouvir e atender as orações de seus escolhidos, no entanto, as nossas petições devem estar de acordo com a sua perfeita vontade. O reformador Lutero disse: Orar não é vencer a resistência de Deus, é experimentar a sua boa vontade. As Escrituras afirmam: E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Romanos 12:2. A vida do regenerado deve ser norteada pela suprema vontade do Senhor. Deus quer que a sua vontade seja sempre a nossa. Ele espera que ansiemos por sua direção. O Altíssimo quer realizar o seu propósito eterno para este mundo por intermédio das orações dos seus santos. As orações são canais pelos quais Deus opera as suas obras na terra.

O que mais nos impressiona é que Aquele que não precisa de coisa alguma, permiti-se ser dirigido pela terra. O registro do livro de Mateus 18:18-20 é esclarecedor: Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra, terá sido ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra, terá sido desligado no céu. Em verdade também vos digo que, se dois dentre vós, sobre a terra, concordarem a respeito de qualquer coisa que porventura pedirem, ser-lhes-á concedida por meu Pai que está nos céus. Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles. Segundo as palavras do Senhor Jesus, a terra governa o céu. Deus movimenta o seu poder sobre a terra na medida em que a igreja ora. As orações dos santos são fundamentais e insubstituíveis no que concerne à manifestação do poder de Deus neste mundo caído.

Isto mostra o grande compromisso que os regenerados têm diante do Senhor. Orar não é uma opção, é uma ordem. Além de ser um maravilhoso privilégio, é uma tremenda responsabilidade que foi atribuída aos salvos. Em realidade, a oração é a união das súplicas dos santos com a vontade de Deus. Podemos dizer que: A oração que o novo nascido profere na terra, nada mais é do que o expressar da vontade de Deus no céu. Deus jamais fará algo que esteja em desacordo com a sua vontade, entretanto, Ele espera que os seus filhos orem a Ele, para que possa agir. Lemos em 1 João 5:14-15: E esta é a confiança que temos para com Ele, que, se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, Ele nos ouve. E, se sabemos que Ele nos ouve quanto ao que lhe pedimos, estamos certos de que obtemos os pedidos que lhes temos feito. Pedir segundo a vontade de Deus, eis o caminho!

Seria um tremendo insulto contra Deus dizer que Ele não é Onipotente, contudo, é um sinal de grande rebeldia não se submeter ao seu modo de agir. Dizer que Deus precisa de alguma coisa é esquisito, mas não aceitar a sua maneira de operar é arrogância. Ele decidiu agir por meio das orações de seu povo. O Todo poderoso estabelecerá o seu reino neste mundo em cooperação com a igreja. Pense nisto: E então se dirigiu a seus discípulos: A seara na verdade é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara. Mateus 9:37-38. Se Deus conhece todas as coisas, por que já não providenciou os trabalhadores para a sua seara? A resposta é simples. Ele quer que a igreja ore, para que Ele, graciosamente, mande os trabalhadores.

Este princípio de oração só pode ser compreendido por aqueles que estão completamente desprendidos de si mesmos. Somente aqueles que morreram para os seus direitos podem entender o método de Deus operar. Quando ganhamos a revelação de que somos embaixadores neste mundo, toda a nossa vida gira em torno dos interesses do reino celestial, ao qual pertencemos pela graça de Deus. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. 2 Corintios 5:15. Não vivemos neste mundo para fundarmos o nosso próprio reino mas estamos nele para sermos cooperadores com Deus, para que o reino celestial seja proclamado. Em verdade, os salvos intercedem junto ao trono divino, para que Deus realize a sua santa vontade neste universo. Realmente, a graça de Deus nos surpreende!

Aqueles que relutam em aceitar o modo de Deus agir, só evidenciam que desejam fazer da oração simplesmente um instrumento para ter os seus desejos egoístas atendidos. Em que medida esquecemos de nós mesmos completamente e procuramos somente à vontade do Senhor? A oração exige a operação da cruz em nossa vida. Não vivemos para nós mesmos, mas para o Senhor. Orar significa expressar todo o nosso desejo pela vontade de Deus. Jesus nos ensina: Porque eu desci do céu não para fazer a minha própria vontade; e, sim, a vontade daquele que me enviou. João 6:38. O Senhor tem como propósito que estejamos cheios de sua vontade.

Watchman Nee disse: A oração é a estrada da obra de Deus. Deveras, a oração está para a vontade de Deus assim como os trilhos estão para o trem de ferro. A locomotiva tem poder: é capaz de correr milhares de quilômetros por dia. Mas se não existirem trilhos, não poderá avançar um centímetro sequer. Tal é a relação entre a oração e o trabalho de Deus. Ainda que Deus não precise absolutamente de nada, Ele, soberanamente, utiliza as orações de seus escolhidos para alcançar os seus intentos. É verdade que às vezes Deus age de modo estranho. A experiência de Moisés ilustra o fato: Fez Josué como Moisés lhe dissera e pelejou contra Amaleque; Moisés, porém, Arão e Hur subiram ao cume do outeiro. Quando Moisés levantava a mão, Israel prevalecia; quando, porém, ele abaixava a mão, prevalecia Amaleque. Ora, as mãos de Moisés eram pesadas; por isso, tomaram uma pedra e a puseram por baixo dele, e ele nela se assentou; Arão e Hur sustentavam-lhe as mãos, um, de um lado, e o outro, do outro; assim lhe ficaram as mãos firmes até ao por do sol. E Josué desbaratou a Amaleque e a seu povo a fio de espada. Êxodo 17:10-13.

Quanto poder saía das mãos de Moisés? Nenhum. Será que as mãos estendidas deste escolhido eram tão poderosas a ponto de dar a vitória para Israel? Isto não faz sentido, pois cremos que Deus é absolutamente soberano e não precisa do homem. No entanto, Deus escolheu agir em cooperação com o homem. Assim é com a oração. Deus não precisa que oremos para que Ele nos conceda o que pedimos, pois de antemão conhece todas as coisas de que precisamos. Nós oramos para termos comunhão com o Pai celeste. Mas também oramos por obediência à sua palavra. Não oramos para convencermos Deus de nossas necessidades. Oramos para termos intimidade com o nosso Pai amoroso e que tem prazer em nos atender. A oração também é um exercício. Charles Spurgeon disse: A oração diária é a melhor ginástica para a alma.

A oração não é um peso na vida do regenerado, mas implica em disciplina. As palavras de Andrew Murray acentuam: Aquela pessoa que não tem um horário certo para orar, de fato nunca ora. Louvado seja Deus, pois somos dirigidos pela graça. Vale frisar que a graça sempre é acompanhada por um espírito obediente, responsável e compromissado com a palavra de Deus. Lembramos que a nossa obediência não tem fundamento legalista, mas ela é relacional. Acrescenta-se o fato de que o Senhor tem alegria no seu coração, em atender as orações de seus filhos. Assim como amamos profundamente nossos filhos e queremos sempre o melhor para eles, muito mais o nosso Pai celestial nos ama, e quer satisfazer todas as nossas necessidades por sua graça. Orar é ter a nossa vontade unida à de Deus.

As nossas intercessões são fundamentais para um evangelismo eficaz. Peça a Deus nomes de pessoas para que você interceda. Com certeza, Ele irá colocar em seu coração vários nomes diferentes. Comece interceder incessantemente por eles. Deus irá preparar estes corações, como se prepara uma terra para receber a boa semente, que é a palavra de Deus. É absolutamente importante conversar com Deus em favor da pessoa a quem se irá falar mais tarde. Creia nisto: o Senhor quer que todos os seus filhos sejam frutíferos. A nossa súplica é: Senhor, não permitas que sejamos negligentes na oração, mas ensiná-nos a orar como convém, em nome de Jesus, amém!

Pr. Tomaz Germanovix