Ano C - Evangelho de Lucas (Parte 4)

O Espírito Santo

 

Um regente de orquestra, pelos gestos das mãos, da cabeça e dos olhos, vai comandando todos os músicos, cada qual com seu instrumento musical. A um sinal dado, soam os violinos; a outro sinal, cessam os violinos e dão lugar ao piano. E assim, dentro do ritmo estabelecido pelas pautas, vai-se criando uma harmonia encantadora. No evangelho de Lucas, o Espírito Santo é o grande maestro da história da salvação. Discreto, não visível, mas real, vivo, atuante e dinâmico, ele está presente ao longo de toda a narrativa e dá movimento aos protagonista (Zacarias, Isabel, João Batista, Maria), e envolve de significado os acontecimentos:

"Ficará pleno do Espírito Santo, ainda no seio de sua mãe" (1,15), palavras do anjo a Zacarias, a respeito de João Batista.

"O Espírito Santo virá sobre ti, e o poder do altíssimo vai te cobrir com a sua sombra" (1,35), mensagem do Anjo a Maria.

"Isabel ficou repleta do Espírito Santo" (1,41).

"Zacarias, seu pai, repleto do Espirito Santo..." (1,67).

"O espírito Santo desceu sobre ele em forma corporal, como pomba. E do céu veio uma voz: 'Tu és o meu filho bem-amado; eu hoje te gerei'" (3,22).

"Jesus, pleno do Espírito Santo, voltou do Jordão" (4,1).

"Jesus voltou então para a Galileia, impulsionado pelo Espírito Santo, e sua fama espalhou-se por toda a região circunvizinha. Ensinava na sinagoga e era louvado por todos " (4,14-15).

Na sinagoga de Nazaré, Jesus se apresenta como o libertador dos pobres. Faz a leitura de uma passagem do profeta Isaías:

"O espírito do Senhor está sobre mim, por que ele  me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar a remissão aos presos e aos cegos a recuperação da vista, para restituir a liberdade aos oprimidos, e para proclamar um ano de graça do Senhor" (4,18,19).

Terminado a leitura, temos a impressão de assistir a um teatro, em que cada gesto é calculado: Jesus enrola o pergaminho e o entrega ao acólito; senta-se; todos fixam nele o olhar, como que esperando um comentário solene, uma novidade. E Jesus diz:

"Hoje realizou-se essa passagem da Escritura que acabastes de ouvir" (4,21).

Jesus vem para libertar o ser humano de qualquer forma de opressão: física (os cegos); econômica (os pobres); política (os presos). A missão de Jesus é oferecer uma palavra de esperança a esse povo explorado e, ao mesmo tempo, agir para tirá-lo da situação de marginalidade.

A parti desse episódio, tornam-se mais raras as passagens referentes ao Espírito Santo, já que o Espírito agia em Jesus e por Jesus. Mas é oportuno citar a palavra de Jesus,garantido a presença do Espírito nos momentos de perseguição:

"Quando vos conduzirem às sinagogas, perante os principados e as autoridades, não fiqueis preocupados como ou com o que vos defender nem com o que dizer, pois o Espírito Santo vos ensinará naquele momento o que deveis dizer" (12,11).

Pouco antes da ascensão, Jesus recomenda aos apóstolos que permaneçam em Jerusalém para a vinda o Espirito Santo:

"Eis que eu vos enviarei o meu Pai prometeu. Por isso permanecei na cidade até serdes revestido da força do alto" (24,49).

Fica claro pelos textos bíblicos aqui citados, que o Espirito Santo enviado por Jesus é o mesmo Espírito que o acompanhou ao longo da missão. A menção constante do Espírito Santo confere um real unidade ao desenvolvimento da história, exatamente como Lucas a concebia. Se lançarmos um olhar sobre o primeiro capítulo dos Atos dos Apóstolos, verificamos ali a presença do Espírito Santo, que continua a obra iniciada por Jesus:

"O Espirito Santo descerá sobre vós e dele recebereis força.Sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria, e até os confins da terra" (At 1,8).

Lucas, o evangelista do Espirito Santo, nos mostra que o mesmo Espírito que fez frutificar a obra terrena de Jesus, continua a dinamizar a missão da Igreja no mundo.