Sê Aquele Que Desejo Que Sejas

ACEITA TUA POSIÇÃO NA VIDA

 

"O homem não pode receber coisa alguma, se não lhe for dada do céu" (Jo 3,27)

Se observares fielmente o primeiro de meus conselhos para chegares à santidade e conseguires tua felicidade - completo abandona à minha vontade -, eu te levarei a observar o segundo: ser aquele que desejo que sejas.

Há pessoas que pensam que seriam felizes se tivessem dinheiro, se fossem muito conhecidas, se tivessem grandes capacidades ou gozassem de grande fama. Pensas assim também? Pensas que estes "dons" seriam bons para ti? Julgas saber o que seria melhor para ti? Conheces tuas necessidades tão bem quanto eu?

Para seres aquele que desejo que desejas, é necessário, em primeiro lugar, que aceites teu atual estado de vida, tua personalidade em todas as circunstâncias, com alegria e despreocupação. Não é difícil encontrar minha vontade, nos dez mandamentos,nos mandamentos de minha Igreja e mesmo na vontade daqueles que são teus superiores, na ordem civil e econômica. Mas, às vezes, será difícil para ti ver minha vontade naquilo que te acontece, por minha permissão. Contudo, sabes que te desejo somente tua felicidade. Tracei o caminho de tua felicidade. Portanto, o que tens é o melhor para ti.

Não penses jamais que eu ignore como as coisas andam. O caminho da Santidade não é o mesmo para todos. Jamais, faças comparação entre o que fazes e o que fizeram a uma Teresa, um Francisco de Assis, um Domingos, um Camilo, um Pedro Claver, uma Catarina de Sena, um Cura D'Ars ou um João Bosco.

Não te peço para imitares suas ações, agora, de forma alguma. Talvez, mais tarde, eu peça mais de ti. Mas tudo a seu tempo. O que te peço, agora e sempre, é que os tenhas por modelo no amor que tiveram para comigo, que confies em mim, aceitando de bom grado o estado de vida em que te encontras, e que te conformes com ele. Abandona-te à minha vontade, como eles o fizeram. Sê o que eu quero que sejas, como eles o foram, e tornar-te-ás santo como eles se tornaram.

Há pais que, às vezes, se tornam tão interessados por uma obra social ou em ajudar a própria igreja local (sem mencionar o interesse que já têm pela própria profissão) que vão se afastando do meio familiar, noite após noite, abandonando uma obrigação primária que eu mesmo lhes dei, para perseguir um interesse secundário que eles mesmos se impuseram.

Estão cegos! Deveriam servir-me como os santos o fizeram, mas se esquecem que os santos se santificam servindo-me no trabalho que eu lhes dei.

Por ora, não quero que tenhas fama, riquezas, talentos especiais, nem que sejas conhecido, a não ser que tudo isto já o tenhas. por ora, não quero que sejas casado, a não ser que já o tenhas realizado. Não quero que sejas mártir ou que vás trabalhar em hospitais, dando tua saúde a enfermos, que passes noites em oração contemplativa - a não ser que estas coisas já façam parte de tua vida. Poderias porventura agradar-me, se fosses cuidar dos enfermos nos hospitais e deixasses em tua casa o doente ou a criança que eu te dei para cuidares? Poderia, porventura, ficar satisfeito vendo-te sair para servir os velhinhos, quando negligencias aqueles que eu coloquei em tua própria família?

João Bosco tinha de sair pelas ruas e vielas procurando as crianças às quais ensinaria meus caminhos. E hoje, quantos pais se esquecem da obrigação que têm de guiar seus filhos, que são sua própria carne e seu sangue?

Quero, antes de tudo, que os esposos se amem um ao outro e sejam os melhores do mundo. Quero que as mães e os pais eduquem seus filhos com amor e paciência para serem os melhores pais do mundo. Se há pobres que ficam sem auxílio, se há doentes que ficam sem tratamento, se há fiéis que ficam sem a pregação de minha palavra, isto não é falta nem responsabilidade tua, a nãos ser que sejam atividades que pertençam a teu quadro de vida. Mas se homens mulheres e criança veem em ti um comportamento que não é cristão, aí sim, a falta é tua.

Por outro lado, muitos teriam tempo, oportunidade e habilidades para me servirem no próximo e se omitem. Limitam-se a uma espiritualidade pessoal que exclui os outros. Não é uma espiritualidade desse tipo que eu desejo.

Tens capacidades e obrigações que se ajustam a ti, porque te foram dadas por mim. Como as aves foram feitas para voar e os peixes para nadar, assim o ser humano foi criado para amar a Deus e ao seu semelhante. Um será pai, outro será sacerdote; um será mineiro, outro será médico; um poderá servir-me melhor estudando, outro mesmo ficando sem conhecer muita coisa.

Lembra-te das palavras de meu apóstolo Paulo: "Temos dons diferentes, segundo a graça que nos foi dada; quem tem (o dom da) profecia, (use-o) segundo a regra de fé; quem (tem) o ministério, exerça o ministério; quem tem o de exortar, exorte; o que reparte (faça-o) com simplicidade;. o que preside, seja solícito; o que faz obras de misericórdia, (faça-as) com alegria..." (Rm 12,6-8).

Não percas tempo sonhando com o que farias se fosses fulano de tal ou se ocupasse com outra posição na vida. Aceita tua situação presente com todas as suas circunstâncias.

E não penses que esta aceitação signifique passividade. Se estás doente, aceita-o como sendo minha vontade, naquele momento. Mas não penses que desejo que fiques parado, e nada faças para recuperar tua saúde. Procura os meios convenientes. No entanto, se a tua situação atual não é satisfatória, não te queixes. Aceita-a. Mas procura e emprega os meios razoáveis para melhorá-la. Ser assim é ser como eu desejo. Procedendo assim, procedes como eu mesmo procederia.