Paciência consigo mesmo

"Espera em Deus com paciência" ( Eclo 2,3)

 

Se é difícil ser paciente com os outros e em todas as circunstâncias, é muito mais difícil ser verdadeiramente paciente consigo mesmo. Parece ilógico, pois talvez nada te processe mais simples do que ser paciente com tuas próprias faltas. Mas é ,de fato, muito difícil. Significa ser suficientemente humilde para aceitar tuas limitações; significa estar disposto a servi-me dia após dia, apesar de tuas faltas; significa estar contente com teus próprios descontentamentos, enquanto duram. Significa gloriar-se com Paulo de tua fraqueza; significa reconhecer com Felipe de Neri, que quanto mais varres, tanto mais poeira levantas. Significa compreender com Francisco de Assis teu próprio nada.

Paciência consigo mesmo é não pensar demasiado em tuas próprias misérias, mas corrigir-te suavemente como me corrigirias em teu próximo.

Reconhecer tuas faltas. Mais que isso, reconhece teu nada; porém, não te irrites contigo, mesmo. Sê suave e firme e, com meu auxílio, melhorarás no futuro.

Se tuas imperfeições inesperadamente começassem a dominar, farias bem em lamentar tuas faltas, mas frias ainda melhor se me dissesses que te alegras em reconhecer tua fraqueza. Uma vez que tens tantas imperfeições, podes esperar que se repitam uma e outra vez. Se ficas desanimado por causa de tuas faltas involuntárias é por que pensas que és melhor do que realmente és. Se permites que tuas imperfeições te perturbem, provavelmente estarás disposto a pronunciar palavras ríspidas ou a demonstrar ira em tudo o que fazes.

Quando aprenderás que por ti mesmo nada podes?

Dás mais glória a mim quando corriges as tuas faltas no momento oportuno, do que quando te perturbas por causa delas. Não sabes que olho para tuas imperfeições da mesma forma que olho para teus defeitos físicos? Quando cais doente, sem negligência de tua parte, não te censuro por isso. Quando estás cansado e com fome, não olho pra ti com desprazer. Quando te queimas e soltas uma exclamação de dor, sei que é natural. Da mesma forma, quando estás mental e emocionalmente  "queimado" e como que reclamas por causa de alguma imperfeição, eu sei que isto é natural. Quando cometes faltas involuntárias nas provações que sobrevêm, eu não dou mais importância a isso do que quando estás cansado, doente ou faminto. Aceita estas imperfeições involuntárias exatamente como aceitas a doença, compreendendo que não é falta tua, mas de tua natureza e das circunstâncias.

Quero teu amor e tua confiança. Tudo mais que for necessário, eu o farei. Que o conhecimento de tuas imperfeições te levem a te lançares em minha misericórdia e em meu amor. Não há melhor método para progredir.

Aceita-te atualmente como és, com tuas faltas e fraquezas, mas com resolução firme de me servir o melhor que puderes. Proceder assim é um sinal certo de que teu amor-próprio está diminuindo e de que está havendo progresso espiritual.

Aceita a verdade de que tenho planos diferentes para todas as minhas criaturas. Determina-te a realizar com toda fidelidade meu plano sobre ti. Isto é paciência, é humildade, é santidade.

Ainda há uma forma de paciência mais elevada, e esta, por mais estranho que pareça, é a paciência comigo. Muitos de meus amigos procuram forçar-me, impelir-me, querendo ir mais depressa do que a graça. Não seja assim contigo!

Paciência comigo é simplesmente confiança em mim. Confiar totalmente em mim é a maior paciência. Saber que te amo mais do que amas a ti mesmo, compreender que conheço todas as tuas necessidades e que sei perfeitamente satisfazê-las, permitir que eu dirija tua vida, teu progresso, tuas orações- é esta a mansidão e a paciência que desejo ver em ti.

Paciência para comigo é deixar que te molde a meu modo, não me considerando severo, porque eu mando provações para te fortalecer ou porque faço crescer teu amor para contigo e desfaço teu amor-próprio, fazendo-te sofrer.

Paciência para comigo é esperar em mim, procurando alegria em mim, entregando tua vida toda em minhas mãos. Tem esta paciência para comigo e acredita que te amo com toda ternura, de uma forma que as palavras não são capazes de descrever.

Livro Cristo minha vida- Clarence J. Enzler